domingo, 19 de agosto de 2012



E é na escuridão da noite que normalmente acontece. É nas ruas sem iluminação, nos cantos desabitados e nas íngremes subidas. Nos degraus unicamente pisados, nos lençóis pessoalmente usados e perante a vista do negrão do céu. É passando por algo em que fazes falta. É na tua ausência, sendo esta constante. É nos momentos inesperados, já que tudo aquilo pelo que espero não vem. Nunca veio. Só surgiu quando deixei de aguardar. De qualquer das maneiras, a dura verdade é que tu não vens mais. Não voltas, quer espere ou não. E é isolado. É no sossego do mundo, daquele que interrompo. É aqui, onde nem tu estás. Onde eu estou, quebrando o silêncio. É originando pequenas partículas de água. E é presente. Foi agora, diante dos teus soberbos vocábulos.

1 comentário:

  1. Adorei o que escreveste, como pormenorizaste o que sentes e como o fizeste sentir também a quem lê. Eu sei que custa, mas um dia vais conseguir ultrapassar isso. Acredita que vais.

    ResponderEliminar